Mapeamento Colectivo de Pevidem: Redes de micro-indústrias na região de Vale do Ave
Organização: Iconoclasistas, com Paulo Moreira e Bernardo Amaral. Parte de Devir Menor - Arquitecturas e Práticas Espaciais Críticas na Ibero-America, com curadoria de Inês Moreira e Susana Caló / Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura. Participantes: Irena Ubler, Pedro Galego, Lara Ferreira, Ana Patricia Gomes, Patricia Nogueira, Mariana Jacob, Alexandre Marques, Leticia Rampante, Alexandre Moreira, Luis Guimarães, Joaquim Lima, Manuel Martins. Sociedade Martins Sarmento, 13.6.2012

Link 1 Link 2 Link 3 Link 4 Link 5

Vale do Ave
O Vale do Ave é o terceiro centro industrial de Portugal, e o segundo centro económico do Norte do país. A sua população residente é de cerca de 509.968 habitantes, correspondentes a 6% da população de Portugal (Censos 2001).
A população activa é de cerca de 51,8% (180 000 cidadãos), dos quais 72,2% concentram-se no sector secundário. O sector terciário tem vindo a aumentar nos últimos anos, correspondendo a cerca de 25% da população activa, enquanto 4% da classe trabalhadora está ligada ao sector primário.
Os dados mais recentes indicam que estão inscritas nos centros de emprego do Norte do país 234.169 pessoas (43% do total de Portugal continental). Uma grande parte desta população está concentrada no Vale do Ave. Nos concelhos de Santo Tirso, Guimarães, Vizela e Trofa o desemprego oscila entre os 15% e os 20%.

Pevidém
Pevidém é uma vila situada a 5km de Guimarães. Tem cerca de 5.200 eleitores, dos quais 2.832 são economicamente activos (Censos 2001).
Foi um dos motores de desenvolvimento da indústria têxtil do Vale do Ave durante o século XX. Ali nasceram dezenas de fábricas. Algumas delas empregaram, nos anos 1970, 3-4.000 operários. Para além das fábricas de grande dimensão, a população trabalhadora está distribuída por empresas de média ou pequena escala.
A partir dos anos 1980 algumas fábricas começaram a abrir falência. O processo acentuou-se entre 1990 e 1995, devido à crise do setor têxtil. Desde 2008, como consequência da crise económica que abala o país e a Europa, Pevidém volta a deparar-se com despedimentos em massa, salários em atraso e encerramentos súbitos de fábricas. Os dados mais recentes indicam que a taxa de desemprego do concelho de Guimarães oscila entre os 15% e os 20%.

Photography © Carlos Lobão